Manaus, 29/01/2023

Cultura e Entretenimento

Casa Miga LGBTQIA+ quer resgatar a memória do Movimento Trans em Manaus

Casa Miga LGBTQIA+ quer resgatar a memória do Movimento Trans em Manaus
25/01/2023 13h30

A luta pela visibilidade trans em Manaus ganha o centro do debate na tarde da próxima quarta-feira, dia 25, das 14 às 17 horas, no auditório do Instituto de Pesquisa Carlos Borborema, localizado dentro da Fundação de Medicina Tropical.
A Casa Miga LGBTQIA+ está organizando o encontro que vai reunir Camila Brasil, Jacqueline Maldonado, Rebeca Carvalho e Michele Pires, entre outras pessoas trans para compartilhar depoimentos, histórias e reflexões sobre as origens, desafios e lutas do movimento.
Além da roda de conversa, serão entregues kits de higiene e cestas básicas às pessoas que são assistidas pela Organização.
A Casa Miga é a única organização filantrópica que acolhe imigrantes e refugiados, além de brasileiros, LGBTQIA+ no Norte do Brasil. Além de oferecer abrigo às pessoas em situação de risco, a Casa Miga LGBTQIA+ faz encaminhamento profissional e ajuda a qualificar estas pessoas para que tenham condições de conseguir uma colocação no mercado de trabalho e, assim, ter mais autonomia.
No Brasil não há estatísticas oficiais sobre a quantidade de pessoas trans, fato que colabora para invisibilidade destas pessoas que estão à margem de programas sociais e políticas públicas. Inclusive, no último censo demográfico, realizado pelo IBGE em 2022, não havia no questionário perguntas sobre orientação sexual.
Em função dessa lacuna, estudos independentes vêm tentando trazer uma fotografia do percentual dessa parcela da população na sociedade brasileira. Quando falamos de pessoas trans, por exemplo, foco dessa reflexão, o estudo mais recente e pioneiro na América Latina foi realizado pela Faculdade de Medicina da UNESP (Universidade Estadual Paulista), em 2021, com 6 mil entrevistados, em 129 cidades de todo o país, apontando uma demografia de 2% ou 3 milhões de pessoas transgêneras ou não-binárias, número possivelmente subestimado dadas as proporções populacionais.
Ignorar a existência de pessoas com essa orientação sexual e identidade de gênero fomenta o preconceito, a violência e a marginalização delas.
“Metade da população que a Casa atende é trans, nada mais justo do que fazermos algo que as visibilizem neste mês que marca a luta nacional e evidencia a história do movimento”, comenta a gestora da Casa Miga LGBTQIA+ , Karen Arruda que também é presidente da Associação Manifesta.

O Dia Nacional da Visibilidade Trans é comemorado anualmente em 29 de janeiro, desde 2004 para celebrar o orgulho a existência e a resistência da comunidade trans e travesti, dentro do movimento LGBT no Brasil.

Casa Miga LGBTQIA+

Em quatro anos, a Casa Miga LGBTQIA+ já acolheu mais de 400 pessoas em situação de risco. Destas 60% são pessoas trans e 40% são refugiados e imigrantes.

“Em 2021 começamos a assistir pessoas que não necessitam do acolhimento institucional, mas que necessitam de outros serviços como cestas básicas, hortifruti, kits de higiene e limpeza, orientações sociais, escutas psicológicas, cursos de formação e capacitação, rodas de conversar informativas, assessoria jurídica entre outros. São 400 famílias cadastradas, não somente LGBTs, mas também heterossexuais (como mães solos, idosos)”, observou a gestora da unidade.

Para contribuir com doações de itens da cesta básica ou dos kits de higiene, os interessados podem entrar em contato com a organização por meio do telefone (92) 992987970. Nesta ação, os apoiadores foram o Instituto de Pesquisa Carlos Borborema e a empresa Saniteck.

SERVIÇO

O QUE É: Roda de conversa sobre o Movimento Trans em Manaus

QUANDO: Dia 25/01 ( quarta-feira) de 14h às 17h

ONDE: Auditório do Instituto de Pesquisa Carlos Borborema, que fica dentro da Fundação Hospital de Medicina Tropical , localizada na Avenida Pedro Teixeira, sem número, Dom Pedro

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.