COLETES AMARELOS REALIZAM O 23º SÁBADO SEGUIDO DE PROTESTOS EM PARIS

Manifestantes dos coletes amarelos realizam neste sábado (20.abr.2019) o 23º protesto do grupo.

Pelo menos 4 grupos se concentraram no centro de Paris, mas foram proibidos de ocuparem a Avenida Champs Elysées e os arredores da catedral Notre-Dame, atingida por 1 incêndio na última 2ª (15.abr).
As manifestações foram marcadas por vandalismo, violência e prisões.

Segundo o ministro do Interior da França, Christophe Castaner, 60.000 policiais foram convocados para fazer a segurança das manifestações. O efetivo corresponde a duas vezes o número médio de manifestantes nas últimas mobilizações, de cerca de 30.000.

Realizados desde 17 de novembro, os levantes dos coletes amarelos perderam força nas últimas semanas. No fim do ano passado, cerca de 200 mil pessoas chegaram a integrar as caminhadas.

Apesar do contingente reduzido, os protestos deste sábado registraram 1 dos maiores números de apreensões e casos de vandalismo.

Até o início da tarde na França, 137 pessoas haviam sido detidas, a maioria por danificar patrimônio público. Como comparação, o protesto do sábado passado (13.abr) registrou 15 detenções.

REVOLTA COM MACRON
A agressividade dos protestos desta manhã se deve ao cancelamento do “Grande Debate Nacional”, ideia do presidente Emmanuel Macron para tentar resolver as reivindicações dos integrantes dos coletes amarelos.

Os “gilets jaunes” (coletes amarelos) protestam nas ruas com o figurino porque, na França, a lei obriga que todos os automóveis tenham coletes amarelos para serem usados pelo motorista ou passageiros em situações de perigo.
Inicialmente os protestos reivindicavam o cancelamento do aumento do imposto dos combustíveis –o que foi atendido pelo governo francês em 4 de dezembro–, mas também ganharam força pautas trabalhistas, como o aumento do salário mínimo e melhoria de condições de emprego.

O combinado entre o governo de Emmanuel Macron e os líderes do movimento era anunciar até o fim de abril medidas negociadas nas reuniões do “Grande Debate Nacional”. No entanto, o presidente francês desmarcou os encontros após o incêndio em Notre-Dame.
Eric Drouet, 1 dos líderes do grupo, convocou uma manifestação para as próximas semanas, e alertou Macron para reforçar a segurança.

“Vocês têm 3 semanas para organizar a segurança e para responder aos nossos pedidos: mais democracia, maior poder aquisitivo, melhor qualidade de vida e referendo de iniciativa popular”, disse Drouet em 1 vídeo no YouTube.