Manaus, 20/06/2021

Política

Dermilson Chagas cobra posicionamento da Aleam sobre o fato de Wilson Lima ter sido alertado seis meses antes que faltaria oxigênio no Amazonas

FOTOS: MÁRCIO GLEYSON
FOTOS: MÁRCIO GLEYSON
11/06/2021 12h32

Nesta quinta-feira (10/6), o deputado Dermilson Chagas (Podemos) cobrou um posicionamento da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) sobre a responsabilidade do governador Wilson Lima na crise do oxigênio em janeiro deste ano, que fez com que pacientes com Covid-19 morressem sem ar.

A cobrança foi feita com base em todas as denúncias que o parlamentar já realizou na tribuna neste ano e, em especial, pela divulgação feita ontem (9) pela imprensa nacional e que consta de documento do Departamento Nacional de Auditoria do Sistema Único de Saúde (SUS), informando que o Governo do Amazonas foi alertado pela White Martins seis meses antes, por pelo menos duas vezes, sobre o iminente perigo do desabastecimento de oxigênio no Amazonas, sem que nenhuma atitude fosse tomada pelo governador Wilson Lima.

“A White Martins vinha alertando o Governo do Amazonas desde julho sobre o aumento da demanda que o Estado estava tendo em relação ao oxigênio e a empresa pediu providências. E o Wilson Lima só foi tomar uma atitude em janeiro, porque disse que não sabia que o Amazonas poderia ficar sem oxigênio. Vejam a mentira desse cidadão covarde, que fugiu da CPI. Em julho, ele já sabia que iria faltar oxigênio, porque ele foi alertado pela empresa. E esse comportamento dele foi criminoso”, afirmou Dermilson Chagas.

‘Cortina de fumaça’

O deputado Dermilson Chagas disse que o governador Wilson Lima está criando uma “cortina de fumaça” ao anunciar uma grande mobilização para vacinar a população a partir de 40 anos contra a Covid-19 na capital, no próximo fim de semana, mas que a sua verdadeira intenção é abafar a repercussão negativa por ele não comparecer à CPI do Senado para dar explicações à nação.

O parlamentar considera que a não ida de Wilson Lima à CPI do Senado fará com que ele seja prejudicado posteriormente. O deputado comentou que, caso Wilson Lima fosse depor na CPI, ele já seria um réu confesso e acabaria por fazer um depoimento que iria se tornar uma oitiva que poderá atrapalhar as investigações que correm contra o governador e prejudicar também os processos contra ele no STJ.

Dermilson Chagas também disse que o governador mentiu mais uma vez quando disse que o Governo do Amazonas planejou a vacinação desse novo grupo em alinhamento com a Prefeitura Municipal de Manaus, e apresentou no plenário a nota que a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) enviou à imprensa informando que a Prefeitura Municipal de Manaus ainda iria definir a metodologia para essa vacinação anunciada pelo Governo do Estado, mostrando claramente que o anúncio de Wilson Lima foi feito de última hora.

“Ele fez uma ‘cortina de fumaça’ ontem para tirar o foco da CPI, e o resultado é que ele virou meme na internet. Ele pediu para os servidores, comissionados e até secretários compartilhar nas redes sociais. Mas já está mais do que comprovado que a falta de oxigênio é por falta de planejamento do governador, Wilson Lima, e do ex-secretário de Saúde, Marcellus Campêlo. Nós não podemos nos calar perante a esses absurdos”, enfatizou Dermilson Chagas, destacando que as ações do Governo sempre são de improviso.

Plenário semiesvaziado

A pouca frequência nas sessões plenárias da Aleam, tanto presenciais quanto online, fez com que o deputado Dermilson Chagas defendesse na tribuna o fim das sessões híbridas por considerar que o plenário está semiesvaziado nos momentos em que se necessita discutir questões relevantes, como a crise na segurança pública e os desdobramentos da crise do oxigênio. A sessão plenária desta quinta-feira contou, ao todo, com a participação de 20 deputados. Entretanto, nem todos permaneceram no local simultaneamente. Houve momentos que a sessão tinha apenas quatro deputados presencialmente e três de forma online.

“Vou pedir ao presidente da Aleam, Roberto Cidade, e peço o apoio de todos os deputados também, para voltar o trabalho presencial. Só tem aqui um, dois, três, quatro deputados, quando deveria ter mais 20 presentes aqui. Nós não podemos nos calar para esses fatos que vêm acontecendo em Manaus e para isso precisamos da presença de todos no plenário para discutir esses assuntos”.

CPI da Saúde

O deputado Dermilson Chagas disse, ainda, que irá cobrar do Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM) uma resposta para o trabalho que a CPI da Saúde da Assembleia Legislativa do Amazonas fez no ano passado e que, até o momento, nada foi informado oficialmente à Aleam sobre as providências tomadas pelo órgão. “Nós temos de fazer uma visita lá para saber o resultado da CPI da Saúde”, comentou o parlamentar.