Manaus, 11/08/2022

Política

“É preciso uma força-tarefa para enfrentar e devolver a paz dos rios”, diz deputado sobre atos violentos no interior do AM

“É preciso uma força-tarefa para enfrentar e devolver a paz dos rios”, diz deputado sobre atos violentos no interior do AM
06/07/2022 11h50

O deputado estadual Wilker Barreto (Cidadania) clamou por uma força-tarefa nesta terça-feira, 05, entre União e Estado para enfrentar as problemáticas relacionadas à segurança no interior do Amazonas, tomando como exemplo o mais recente acontecimento em Tonantins (AM), nesta segunda-feira (04), quando ocorreu troca de tiros no rio Solimões, envolvendo traficantes de drogas e piratas.

“O momento de terror que passou o município de Tonantins…Eu recebi os áudios; os rios não pertencem mais aos nossos irmãos do interior, mas aos piratas e traficantes”, disparou o deputado. As informações são de que a troca de tiros iniciou às 5h e durou mais de uma hora. A ação, que ocorre em demais localidades, também afeta embarcações, quando saqueadas, e colocam em risco a vida da população indígena e ribeirinha.

Wilker ainda citou o clima de tensão em Atalaia do Norte, município com mais de 20 mil habitantes, situado na chamada Tríplice Fronteira, no extremo oeste do Amazonas. A situação extrema ocorre um mês após o assassinato do indigenista Bruno Pereira e do jornalista Dom Philips.

“É importante que o mundo, o Governo Federal e o Estado reflitam sobre este episódio triste e lamentável que ocorreu em Atalaia do Norte. Nossos irmãos interioranos estão expostos à própria sorte. Eu tive relatos de irmãos de Fonte Boa sendo agredidos, espancados, casos de estupro. Quero externar meus sentimentos de apoio aquela cidade, apoio ao Alto Solimões. Uma força-tarefa da União e do Estado deve ocorrer para poder enfrentar o que vem ocorrendo e devolver a paz dos rios do nosso imenso Amazonas”, afirmou.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.