Manaus, 08/12/2022

Brasil

EQUIPE DE BOLSONARO NÃO ACREDITA EM APROVAÇÃO DE REFORMAS AINDA NESTE ANO

EQUIPE DE BOLSONARO NÃO ACREDITA EM APROVAÇÃO DE REFORMAS AINDA NESTE ANO
15/10/2018 15h30

G1 – Apesar de haver uma expectativa e até desejo de aprovar medidas estruturais para a economia ainda neste ano, a equipe de Jair Bolsonaro (PSL) não acredita na viabilidade de votar reformas com o Congresso velho, que teve uma renovação significativa na eleição de 2018.

Um interlocutor do candidato do PSL destaca que o próximo Legislativo trará uma composição de bancadas mais favorável a Bolsonaro, caso ele vença a eleição, o que tornaria a negociação de suas primeiras medidas mais fácil. Além disso, o eventual novo governo espera também trabalhar para que os próximos presidentes da Câmara e do Senado estejam afinados com suas propostas.

Já neste ano, por exemplo, a tarefa seria bem mais complicada diante da derrota eleitoral do presidente do Senado, Eunicio Oliveira (MDB-CE), que antes já não demonstrava muita disposição em aprovar medidas como a reforma da Previdência.

Na Câmara o clima seria outro, já que o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), tem afinidade de pensamento econômico com o conselheiro de Bolsonaro, Paulo Guedes, e deseja trabalhar para se manter no posto no próximo ano. O problema é que a renovação de mandatos de deputados foi de 47% e atingiu muitos parlamentares que defendiam as reformas do governo do presidente Michel Temer. Pode prosperar, no entanto, a votação do projeto que vai permitir o leilão de campos excedentes do pré-sal referentes à cessão onerosa negociada com a Petrobras quando foi capitalizada no governo Lula. Isso pode gerar mais de R$ 100 bilhões aos cofres públicos no próximo ano, facilitando a vida do próximo governo na busca de reduzir o déficit público da União.

Diante deste cenário, assessores de Bolsonaro articulam para, se ganharem a eleição, usar o período de transição, que será curto, a fim de fechar todas as principais medidas para encaminhá-las ao Legislativo no início de fevereiro logo depois da eleição dos novos presidentes da Câmara e Senado.

Em 2018, a equipe de Bolsonaro acredita na aprovação apenas de algumas medidas pontuais, como a taxação de fundos exclusivos de investimentos, que pode gerar mais de R$ 6 bilhões para a União.

Já em relação a outras propostas em tramitação no Congresso, como a privatização da Eletrobras, que a atual equipe econômica de Temer desejaria aprovar, dificilmente ela será aprovada agora porque Bolsonaro sinalizou não desejar vender geradoras de energia elétrica.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.