Manaus, 08/12/2022

Mundo

Estudante indígena da rede estadual é selecionada para participar da COP 27, no Egito

Estudante indígena da rede estadual é selecionada para participar da COP 27, no Egito
14/11/2022 15h10

A estudante Tainara da Costa Cruz, de 18 anos, da Escola Estadual Samsung Amazonas, foi selecionada para participar da 27ª Conferência das Partes das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 27), que acontece no Egito, de 06 a 18 de novembro. A aluna é indígena do povo Omágua Kambebe, da comunidade indígena Três Unidos, zona rural de Manaus.

 

Estudante da 2ª série do Ensino Médio, Tainara é ativista e integra a rede de mulheres indígenas do Amazonas, intitulada Makira’eta, que articula e defende a participação das indígenas na sociedade, além disso, a rede atua nas comunidades para levar projetos voltados à sustentabilidade.

 

Desafiada a representar os povos indígenas do Amazonas e do Brasil, ela embarcou para o Egito para discutir e ouvir líderes e ativistas de todo o mundo. Ela diz que sua maior motivação é a vivência em meio às riquezas da Amazônia.

 

“É de extrema importância, é uma responsabilidade muito grande, porque estamos falando do nosso futuro, é um desafio representar meu povo kambeba, ser a voz para que, futuramente, outros indígenas possam estar aqui também ocupando esses espaços”, pontua Tainara.

 

O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) foi quem escolheu os projetos apresentados, de acordo com o potencial para os temas debatidos. Além de Tainara, outros 42 jovens do Brasil, participantes de coletivos e organizações sociais, foram escolhidos

 

COP 27

Com o tema “Juntos para a implementação”, a COP acontece até o dia 18 de novembro, em Sharm el-Sheikh, no Egito. A conferência reúne líderes e ativistas do mundo inteiro, com o objetivo de debater medidas de contenção das mudanças climáticas nos próximos 10 anos.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.