Amazonas

Festival Juventudes reúne adolescentes indígenas e ribeirinhos que residem em Unidades de Conservação 

Festival Juventudes reúne adolescentes indígenas e ribeirinhos que residem em Unidades de Conservação 

 Com transmissão ao vivo pelos canais do YouTube e do Facebook da FAS, o Festival Juventudes teve a participação dos adolescentes em suas comunidades e quatro deles participaram presencialmente na sede da FAS, localizada no bairro Parque Dez. Eles apresentaram vídeos produzidos nas comunidades através do projeto “Repórteres da Floresta” e cartilhas do projeto “Práticas Agroecológicas”, iniciativas coordenadas pela FAS.

    No primeiro dia do festival, a jornalista e apresentadora de TV, Marcela Rosa, com mais de 27 anos de experiência, foi a convidada e apresentou um pouco da sua carreira, deu dicas sobre jornalismo e interagiu com as histórias dos adolescentes. “Fiquei impressionada com a capacidade técnica deles, que fizeram vídeos muito bons, usando uma linguagem bem pensada e produzindo histórias contextualizadas com a Amazônia”, afirmou Rosa.

    Uma das adolescentes que participaram do festival, Michele Oliveira, informou que os projetos da FAS foram fundamentais para impulsionar o sonho dela de ser maquiadora profissional. Ela revelou que começou a publicar, nas redes sociais, seus vídeos fazendo maquiagem após o curso “Repórteres da Floresta”. “Meu sonho é ser maquiadora profissional e uma youtuber reconhecida pelas pessoas, e sei que tenho como fazer meu sonho acontecer me aperfeiçoando cada vez mais”, disse.

    A Superintendente de Desenvolvimento Sustentável de Comunidades da FAS, Valcléia Solidade, afirmou que os projetos realizados nas comunidades são importantes para desenvolver os sonhos de jovens e orientar para um futuro melhor.

“Estamos felizes em acompanhar o crescimento de vocês (jovens). Queremos que vocês cresçam, floresçam e sejam a voz da comunidade, e a geração que vai levar conscientização e engajamento para as pessoas lá na ponta. Não limitem os sonhos de vocês. Sou neta de escravizados, morei em uma quilombola e sei da importância de construir os nossos sonhos com o apoio de outras pessoas. Nunca perca a oportunidade de chegar onde quer. Nunca deixe de sonhar. Sonhe sempre porque isso faz bem para nossa alma”, disse Solidade.

    Já a representante da Samsung, apoiadora dos projetos da FAS, Izabel Costa, disse que a empresa se sente honrada em colaborar para que os adolescentes façam esse papel importante para sociedade, mostrando suas comunidades e as peculiaridades da Amazônia. “A Samsung só consegue fazer tudo isso porque tem parceiros comprometidos, como a FAS que pensa nas pessoas e é uma ponte que possibilita nossa empresa a chegar nas comunidades. É uma parceria que existe há mais de 10 anos e permite um marco importante para que pudéssemos consolidar nossas iniciativas de responsabilidade social no Brasil, por meio de programas de educação e saúde. Sabemos da importância da educação para alcançar ainda mais jovens. Vocês são os líderes do amanhã e têm um papel muito importante”.

    A indígena Thainara da Cruz, da etnia Kambeba, disse que os cursos da FAS possibilitaram a divulgação dos artesanatos feitos pelo seu pai e pela comunidade, apoiando as vendas, principalmente nessa época de pandemia da Covid-19. “Além disso, ajudou a me expressar melhor e como ‘repórter da floresta’ posso ajudar ainda mais a divulgar o trabalho da minha comunidade”, comentou

O coordenador do Programa de Educação para a Sustentabilidade da FAS, Anderson Mattos, informou que o Festival Juventudes 2020 foi muito especial para todos, usando a tecnologia para aproximar os jovens e as comunidades, com a participação de pessoas compartilhando suas histórias. “Isso contribui muito para os sonhos de vida dos jovens, porque é isso que a gente busca para nossos projetos. É desenvolver os adolescentes e dar oportunidade, e espaço para eles. O Festival conectou as pessoas, com muito aprendizado e isso fortalece a gente para as ações de 2021”.

Os projetos

A FAS desenvolve diversos projetos educacionais, por meio do seu Programa de Educação para a Sustentabilidade, como o Incentivo à Leitura e à Escrita (Incenturita), o Intercâmbio de Saberes, o Jovens Empreendedores, as Práticas Agroecológicas, o Pequenos Curupiras e o Repórteres da Floresta. São desenvolvidos nos NCS e têm patrocínio da Samsung, e apoio do Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) e Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema).