Manaus, 24/09/2022

Amazonas

Governo anuncia reestruturação do Distrito de Microempresas do Amazonas

Governo anuncia reestruturação do Distrito de Microempresas do Amazonas
17/08/2022 13h40

O Distrito Industrial de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte do Amazonas (Dimpe) Ozias Monteiro Rodrigues vai ser reestruturado, anunciou o Governo do Amazonas. Atualmente com mais de 20 galpões em funcionamento, o espaço deve ser ampliado com o objetivo de atrair mais empreendimentos e aumentar a geração de empregos no local.

No Dimpe, os permissionários produzem os mais diversos produtos, desde colchões, móveis a partir da madeira manejada, óleos, essências, geleias naturais, dentre outros. A meta é ampliar a geração de emprego, que atualmente gira em torno de 300 postos de trabalho.

As informações são da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (Sedecti), que realizou visita técnica no espaço.

“O governo sente-se muito gratificado em poder contribuir com projetos como estes. E é com este espírito que estamos visitando os estabelecimentos consolidados dentro do Dimpe. Nossa meta é, a médio prazo, ampliarmos o número de emprego e renda neste estabelecimento”, disse o titular da Sedecti, Angelus Figueira.

Participaram da comitiva o titular da Sedecti, Angelus Figueira, o secretário executivo de Desenvolvimento e Gestão Estratégica, Valdenor Cardoso, a auditora Samantha Chíxaro e o assessor Rafael Brandão.

Recentemente, a Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), aprovou o Projeto de Decreto Legislativo (PDL) n° 13/2022, de autoria do deputado Adjuto Afonso (UB), que repassou a gerência do Dimpe à Sedecti, com a missão de reorganizar o setor que gera emprego e renda na capital.

Em seus argumentos, o autor da propositura, considerou que “o Dimpe estava sob a coordenação da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), com a interveniência da Fundação Universitas de Estudo Amazônicos/F-UEA, o que era inviável, pois trata-se de um setor de desenvolvimento econômico, não educacional”, consta no documento.

Modelo
Na opinião de Valdenor Cardoso, o Dimpe é um belo projeto com excelentes conceitos, e o poder público vai incentivar com fomento e estrutura de funcionamento (galpões e parte elétrica) às pequenas empresas industriais que não tem capital para viabilizar ou construir infraestrutura produtiva.

“A exemplo do setor primário, onde 98% dos agricultores do Amazonas são micro e pequenos, assim também é a pequena empresa industrial que trabalha com matéria-prima da região, desde essências, óleos vegetais, geleias de cupuaçu, açaí e pimentas regionais. E essas empresas são responsáveis pela geração de 89% dos empregos no Amazonas e que precisam do nosso apoio para funcionar”, destacou Cardoso.

Ainda segundo o secretário executivo, esse modelo de distrito é praticado em todos os países do mundo, e também é viável para o interior do Amazonas, que pode ser trabalhado a partir das matérias-primas disponíveis, a exemplo da madeira manejada, do pescado de captura e artesanal, de pequenos animais, das marcenarias, das serralherias, entre outras atividades.

Função
O Distrito Industrial de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte do Amazonas – Dimpe Ozias Monteiro Rodrigues foi inaugurado no dia 12 de dezembro de 2008, e planejado com a missão de aumentar a competitividade das empresas do setor de micro e pequenas empresas, agregando maior oferta de emprego e renda na capital.

O Dimpe funciona nos moldes de um condomínio empresarial, com lotes urbanizados, dotados de infraestrutura completa que inclui central de secagem, unidade de tratamento de resíduos e líquidos, rede de esgoto, sistema de abastecimento de água, terraplenagem, drenagem pluvial e guarita. O complexo comporta galpões industriais, cada um com uma área de 450 metros quadrados de área construída, localizado no quilômetro 8, da Estrada do Tarumã, zona oeste de Manaus.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.