Manaus, 24/09/2022

Brasil

Instituto Onça-Pintada é multado em R$ 450 mil após mortes de 72 animais por suposta negligência, em Mineiros

Instituto Onça-Pintada é multado em R$ 450 mil após mortes de 72 animais por suposta negligência, em Mineiros
22/08/2022 14h20

O Instituto Onça-Pintada (IOP) foi multado em R$ 452 mil pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama) após o órgão verificar as mortes de 72 animais por supostas negligências e maus-tratos na sede da entidade, em Mineiros, no sudoeste de Goiás. O instituto também foi proibido de receber animais silvestres e expor indevidamente a vida dos animais na internet.

O Ibama registrou mortes de macacos, onças-pintadas, tamanduás, lobos, cervos e pássaros nos últimos seis anos. O IOP alegou que as mortes foram por picadas de serpentes, ataques de outros animais, envenenamento e até infestação de pulgas.

“Sempre adotamos todas as medidas necessárias para a segurança dos animais. Inclusive recebemos animais do Ibama para recuperação e tratamento”, argumenta o instituto (leia a íntegra ao final).

O documento de multas e embargos aplicados pelo Ibama, em junho deste ano, foi obtido com exclusividade pelo portal Metropóles.

De acordo com o Ibama, os registros de mortes superaram em 3 vezes a quantidade de nascimentos. Os cálculos feitos pelo instituto mostram que o IOP tem atualmente 109 animais sob guarda. Ou seja, considerando-se os anos avaliados, no total, o criadouro perdeu cerca de 70% de seu plantel que foi reposto com recebimento de animais, já que a reprodução no mesmo período se resumiu a 37 animais.

“Portanto, de forma indubitável, seja por negligência ou imperícia, a condução de procedimentos adotados no Instituto Onça-Pintada resultou na morte de, ao menos, 72 animais de 2017 a 2021”, diz o laudo do Ibama.
Ibama ressaltou que animais domésticos e silvestres não devem ficar juntos no IOP, em Mineiros, Goiás — Foto: Reprodução/Ibama

O Ibama solicitou ainda que o IOP explique as mortes de vários animais silvestres ameaçados de extinção, entre eles, a de um macaco por ataque de abelhas, um tucano-de bico-verde que morreu sem causa aparente, uma arara vermelha que foi encontrada morta com sinais de briga com outros animais e de um cervo do pantanal.

Registros de mortes por ano por suposta negligência:

  • 2021: 4 animais
  • 2020: 35 animais;
  • 2019: 2 animais;
  • 2018: 5 animais
  • 2017: 26 animais.

Destes, 52 mortes foram de espécies ameaçadas de extinção e 20 de espécies não ameaçadas. O Ibama não registrou mortes em 2022.

Onça e lobo, proximidade e interação de animais que não interagiriam na natureza, segundo Ibama, em Mineiros, Goiás — Foto: Reprodução/Ibama

Para a categoria de criadouro conservacionista, na qual o IOP tem autorização, é vedada a exposição de animais. No entanto, o Ibama diz que o instituto utiliza a internet como via de exposição, onde demonstram animais silvestres sendo tratados como animais de estimação, juntam espécies diferentes (presas com predadores) e, também, espécies silvestres com espécies domésticas.

“Finalmente, é inadequada a interação com os animais como se eles fossem os bichos de estimação da família e sua exposição na internet, o que não se alinha com a função de um criadouro conservacionista e não se encontra previsto ou autorizado nas atribuições da atividade, ao contrário, é vedada na resolução Conama nº 489/18”, diz o documento do Ibama.

Junção artificial de espécies silvestres que não interagiriam na natureza, segundo o Ibama faz no IOP, em Mineiros, Goiás — Foto: Reprodução/Ibama

Nota do Instituto Onça-Pintada

O Instituto Onça-Pintada (IOP) é uma organização não-governamental, criada em 2002, por nós, biólogos Dr. Leandro Silveira e Dra. Anah Tereza de Almeida Jácomo, que sempre dedicamos nossas vidas à conservação da onça-pintada. Também desenvolvemos pesquisa científica nos cinco Biomas brasileiros (Amazônia, Cerrado, Caatinga, Pantanal e Mata Atlântica).

Somos amplamente reconhecidos pelas boas práticas no manejo e cuidados com os animais sob nossa responsabilidade. Sempre adotamos todas as medidas necessárias para a segurança dos animais. Inclusive recebemos animais do Ibama para recuperação e tratamento.

Dessa forma, foi com surpresa que recebemos as aplicações de multas no mês de junho por um fiscal do Ibama, que nunca esteve presencialmente nas nossas instalações. Já apresentamos nossa defesa ao Ibama e estamos confiantes na reversão das sanções. Com os embargos fixados pelo fiscal, as atividades do instituto serão prejudicadas. Convidamos, inclusive, a TV Anhanguera a visitar nossas instalações e comprovarem a seriedade e zelo com que o nosso trabalho é executado.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.