Amazonas

Mais de 100 mil metros cúbicos de oxigênio da White Martins chegaram a Manaus por via aérea e fluvial nos últimos três dias

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
18/01/2021 16h51

Entre a madrugada do dia 16/1 e a manhã desta segunda-feira,18/1, chegaram à cidade de Manaus mais de 107 mil metros cúbicos de oxigênio da White Martins, sendo 91 mil metros cúbicos em balsas que saíram de Belém nos dias 10 e 11 de janeiro, além de 7 mil metros cúbicos em tanques criogênicos e 5 mil metros cúbicos de oxigênio em 800 cilindros que foram transportados de vários aeroportos do país com o apoio da Força Aérea Brasileira. Ao todo, já foram deslocados de outros estados para o Amazonas mais de 217 mil metros cúbicos de oxigênio líquido e mais 1.340 cilindros de oxigênio, que equivalem a 15.430 metros cúbicos de oxigênio produzidos pela White Martins, totalizando mais de 230 mil metros cúbicos de oxigênio.

A empresa continua mobilizando todos os esforços para suprir a alta demanda de oxigênio na região, que segue crescendo e já ultrapassou um volume de 70 mil metros cúbicos por dia. Esse consumo equivale a quase o triplo da capacidade nominal de produção da unidade local da White Martins em Manaus. Para se ter uma ideia, na data de 01/01/21, a planta da White Martins tinha em estoque produto suficiente para abastecer os hospitais da região pelo período de sete a oito dias de acordo com o consumo diário de dezembro de 2020.

Ao todo, 27 equipamentos criogênicos da White Martins foram dedicados adicionalmente a esta operação, o que representa 20% da frota de carretas criogênicas da White Martins que opera com oxigênio em todo o país. A empresa esclarece também que o abastecimento de seus clientes no mercado de saúde segue dentro da normalidade em outras regiões do Brasil e que a situação sanitária vivida em Manaus nos últimos dias não se reflete em outras regiões do país. Além do estado de calamidade pública enfrentado na região, o cenário logístico no Amazonas é extremamente desafiador por não contar com acesso terrestre e demandar movimentação de carga por transporte fluvial e aéreo.

A empresa dispõe de uma robusta capilaridade logística integrada que garante a confiabilidade no abastecimento no país. Suas mais de 80 plantas e centros de distribuição estão localizados em áreas estratégicas com alta mobilidade por ter acesso à infraestrutura rodoviária que possibilita o deslocamento eficiente de produto até os clientes. A White Martins seguirá cumprindo seu papel social e está somando todos os esforços para salvar vidas e abastecer o mercado de saúde.

A planta da White Martins em Manaus permanece operando em plena capacidade, 24 horas por dia, com a produção de 28 mil metros cúbicos de oxigênio 100% direcionada para o segmento medicinal. A empresa continua trabalhando também para viabilizar o funcionamento de uma planta que estava desativada há 11 anos. A expectativa é que a partida desta planta aconteça entre 30 e 45 dias. Esta iniciativa permitirá a entrega adicional de cerca de 6000 m3 de oxigênio por dia.

No cenário atual de crise sem precedentes, a White Martins conseguiu recentemente ampliar até o limite máximo a capacidade de produção da planta de Manaus – de 25 para 28 mil metros cúbicos por dia. A unidade da White Martins em Manaus já havia passado ao longo de 2020 por processos de ampliação que permitiram à empresa aumentar significativamente sua capacidade de produção local.

Todas as alternativas logísticas e operacionais possíveis estão em curso para aumentar a disponibilidade de oxigênio em Manaus. A companhia não está medindo esforços nem recursos nesta operação e tem atuado de forma integrada com as autoridades e recebido apoio logístico de diversos grupos da iniciativa privada.