Manaus, 13/05/2021

Brasil

Polícia pede prisão de Monique e Jairinho por homicídio e tortura

Polícia pede prisão de Monique e Jairinho por homicídio e tortura
03/05/2021 22h20

A Polícia Civil do Rio concluiu a investigação do assassinato de Henry Borel nesta segunda-feira (3), dia em que o menino completaria cinco anos de idade. Os investigadores pedem a prisão preventiva do vereador Dr. Jairinho (sem partido) e da pedagoga, Monique Medeiros, respectivamente padrasto e mãe da criança.

Monique e Jairo Souza foram indiciados por homicídio duplamente qualificado, com emprego de tortura e recursos que dificultaram a defesa da vítima. O inquérito será encaminhado Ministério Público do Rio nas próximas horas.

Em carta ao delegado, Monique Medeiros “implorou” pela chance de um novo depoimento. Ela diz ter sido manipulada e treinada para mentir e alegou que estava em um relacionamento abusivo.

– Não quero fugir das minhas responsabilidades, mas quero ser julgada pelo que é certo, contribuindo e fazendo todo o possível para ajudar em tudo que eu puder! Me dê mais uma chance. Eu imploro! – escreveu.

Porém, as autoridades concluíram que uma nova versão da mãe do menino não mudaria o curso da investigação.

Jairinho e Monique estão presos desde 8 de abril, após tentativas de atrapalhar a investigação do assassinato de Henry. A criança morreu aos 4 anos de idade no dia 8 de março, no apartamento do casal, na Barra da Tijuca (RJ). As investigações apontaram que a vítima sofreu 23 lesões na noite de sua morte e que vivia uma rotina de agressões por parte do padrasto.