PRATO CIDADÃO DO CENTRO COMEMORA 15 ANOS COM 600 REFEIÇÕES DIÁRIAS

O restaurante Prato Cidadão do Centro comemorou 15 anos, nesta sexta-feira (26/04), com uma programação especial que teve direito a bolo de aniversário e parabéns cantado pelos usuários. Estiveram presentes na festa a secretária executiva da Secretaria de Estado de Assistência Social (Seas), Branca Pinheiro; a diretora do Departamento de Proteção Social Básica (DPSB), Francizelma Fonseca; a gerente de Segurança Alimentar e Nutricional da Seas, Elba Borges; e o gerente do Prato Cidadão do Centro, Márcio Gonçalves. Na oportunidade, os frequentadores mais antigos ganharam brindes da gerência do restaurante.

A secretária executiva da Seas, Branca Pinheiro, frisou que o Prato Cidadão é uma iniciativa que diz respeito tanto à segurança alimentar quanto à política de assistência social para erradicar a pobreza e a fome: “Este restaurante existe há 15 anos. É um trabalho importante que deve ser melhorado e fortalecido. Isso requer uma responsabilidade muito grande, e a intenção do governador Wilson Lima é melhorar cada vez mais a qualidade dessas refeições”, destacou.

Diariamente, 600 pessoas fazem refeições no Prato Cidadão ao preço de R$ 1. São pessoas em situação de vulnerabilidade e risco social, como moradores em situação de rua e imigrantes. Para ter acesso às refeições o usuário precisa apresentar o RG para fazer seu cadastro. Caso não possua RG, precisa fazer um cadastro provisório para ter acesso ao restaurante.

Cardápio – O gerente do restaurante, Márcio Gonçalves, informou que as senhas para as refeições começam a ser vendidas às 8h e até às 13h os usuários podem fazer suas refeições. O cardápio segue as orientações de nutricionistas da Seas: “Nós alinhamos as necessidades nutricionais aos pedidos dos usuários. Já conseguimos inserir no cardápio a carne de porco e o jaraqui, que são bastante elogiados pelo nosso público”.

Manoel Lima da Silva, 65, recebe Benefício de Prestação Continuada (BPC), que tem o valor de um salário mínimo, e todo dia faz refeições no local: “Venho aqui desde que o restaurante começou a funcionar e esse lugar é como se fosse a minha segunda casa. Gosto muito do amoco daqui”, afirmou.

Gratidão – O sentimento do venezuelano Jorge Luiz Bomdioli é de gratidão. Há seis meses em Manaus, ele trabalha com serviços de pintura, jardinagem e limpeza e ter uma refeição garantida é uma ajuda muito grande: “Gosto muito da comida e dos funcionários daqui, que me acolheram bem desde que cheguei”.

O custo das refeições que há 15 anos continuam chegando ao usuário por apenas R$ 1 é subsidiado pelo Governo do Estado e pela iniciativa privada.