]

Manaus, 25/10/2021

Mundo

Rainha Elizabeth II entra “na mira” de ativistas ambientais

Rainha Elizabeth II entra “na mira” de ativistas ambientais
12/10/2021 10h30

Às vésperas da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática de 2021 (COP26), que ocorrerá em Glasgow, na Escócia, ambientalistas cobraram que a Rainha Elizabeth, bem como outros membros da realeza britânica, comprometam-se a plantar mais árvores e a cultivar uma produção orgânica.

A cobrança se deu por meio de carta assinada por 100 mil pessoas e entregue neste fim de semana. Chris Packham, conhecido conservacionista e comunicador, marchou juntamente com centenas de crianças e uma banda de jazz pela região central de Londres até o Palácio de Buckingham, para entregar a petição.

– Estamos pedindo de maneira muito educada que a nobreza mude suas práticas de gestão das terras e, se eles puderem anunciar isso antes da conferência, enviariam uma mensagem brilhante para o mundo – declarou Chris Packham.

De acordo com o ativista, é preciso tomar medidas o quanto antes, em vez de apenas falar sobre elas.

– Não é mais a hora de falar sobre fazer as coisas; é a hora de realmente fazê-las. Então, embora eles estejam falando a coisa certa, que lugar melhor para fazer a coisa do que em seu próprio e enorme quintal? – acrescentou.

O príncipe Charles, filho mais velho da rainha Elizabeth II e herdeiro da Coroa britânica, participará da Conferência da ONU para o clima em Glasgow, junto com sua mãe.

Nesta segunda-feira (11), em entrevista à rede BBC, o príncipe disse que “entende” a frustração de ativistas como a sueca Greta Thunberg, que acusa os políticos de permanecerem impassíveis à emergência climática.

– Todos esses jovens acham que nada acontece; então, é claro que ficam frustrados – afirmou o príncipe.

A COP26 em Glasgow começará em 31 de outubro.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.