Esportes

Rússia está banida da Olimpíada de Tóquio e da Copa do Catar

Rússia está banida da Olimpíada de Tóquio e da Copa do Catar

A Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês) confirmou nesta quinta-feira (17) uma suspensão de dois anos à Rússia pelo escândalo de doping, o que faz com que o país seja proibido de usar seu nome, sua bandeira e seu hino nas competições até dezembro de 2022 – incluindo os Jogos Olímpicos de Tóquio, no ano que vem, os Jogos de Inverno, que serão em Pequim, na China, no início de 2022, e a Copa do Mundo, do Catar.

A decisão da CAS vem do julgamento do recurso impetrado pela Rusada, a agência antidoping russa, da punição de quatro anos imposta pela Agência Mundial Antidoping (Wada) no ano passado.

– O painel da CAS determinou por unanimidade que a Rusada (Agência de Antidoping da Rússia) não está em conformidade com o Código Antidoping Mundial (WADC, na sigla em inglês) em conexão com sua falha em obter a entrega dos dados subjacentes para a Wada – iniciou o tribunal em sua decisão.

A punição, no entanto, foi diminuída de quatro para dois anos.

– Como consequência, o painel emitiu uma série de ordens que entram em vigor em 17 de dezembro de 2020 por um período de dois anos, ou seja, até 16 de dezembro de 2022 – apontou a decisão.

Atletas e times russos poderão competir em Jogos Olímpicos e em outros eventos, mas não com seus uniformes e bandeiras. Eles, confirmado que não estão envolvidos em escândalos de doping, poderão competir, mas não representando a Rússia, e sim sob uma bandeira do Comitê Olímpico Internacional (COI).

Todos esses atletas agora precisam provar que estão limpos e que foram submetidos a testes rigorosos antidopagem para serem elegíveis a competir como atletas neutros na Olimpíada. Caso o COI siga o posicionamento que teve nos Jogos de Inverno de PyeongChang, na Coreia do Sul, em 2018, equipes russas de esportes coletivos devem passar pelo mesmo processo.

O COI chegou a excluir a Rússia dos Jogos Olímpicos do Rio-2016 e de Inverno de Pyeongchang, mas deixou nas mãos das federações nacionais a decisão de executar a suspensão. No Rio, por exemplo, os competidores do atletismo não puderam usar a bandeira do país, o mesmo aconteceu com os do remo. Em 2018, o país não participou de nenhuma modalidade. Mas os atletas, sem a bandeira russa, conquistaram 17 medalhas.