]

Manaus, 27/09/2021

Geral

Setembro Amarelo: Todas as vidas importam

Setembro Amarelo: Todas as vidas importam
10/09/2021 11h15

Desde 2014, a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), em parceria com o Conselho Federal de Medicina (CFM), organiza nacionalmente o “Setembro Amarelo”, sendo hoje, dia 10 de setembro, oficialmente, o ”Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio”. Esta campanha é de fundamental importância por destinar um mês todo a um problema que não pode ser deixado de lado em nenhum dos doze meses do ano.

O suicídio é a segunda maior causa de morte de jovens entre 15 e 29 entre meninas (atrás apenas de complicações na gravidez) e a terceira entre meninos (perdendo para violência e acidentes de trânsito) no mundo, sendo que 79% dos casos se concentram em países de baixa e média renda (OMS, 2019).

No Brasil, segundo o Ministério da Saúde (2019), no período entre 2007 e 2016, foram registrados no Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) 106.374 óbitos por suicídio. Em 2016, a taxa chegou a 5,8 por 100 mil habitantes, com a notificação de 11.433 mortes por essa causa, sendo a grande maioria entre
homens, segundo a entidade (OMS).

A psicóloga Bárbara Kolstock Monteiro, profissional que presta serviço de apoio no IFSC/USP, salienta que a cada 40 segundos uma pessoa se suicida e a cada 3 segundos alguma pessoa atenta contra a própria vida! Neste momento de pandemia e de distanciamento social, alguns estudos têm apontado para o aumento destes números, exigindo ainda mais atenção. Qualquer pessoa pode cometer suicídio, porém alguns fatores aumentam esses riscos. São eles:

– Abuso sexual na infância;
– Alta recente de internação psiquiátrica;
– Doenças incapacitantes;
– Impulsividade/Agressividade;
– Isolamento Social*;
– Histórico de suicídio na família;
– Tentativa anterior de suicídio;
– Doenças Mentais;

 

“Considerando a diversidade de fatores de risco, as estratégias mais eficientes são a identificação precoce de comportamentos, acompanhamento de pessoas em situação de risco e a criação de programas para ajudar jovens a lidar com os problemas que surgem ao longo da vida, sendo esta a maior motivação para a criação de nosso programa “IFSC e o Bem-estar de sua Comunidade”, enfatiza a psicóloga, que acrescenta: “Ao perceber qualquer indicativo em você ou algum amigo, procure ajuda! Entre os fatores de proteção que podem ajudar na redução das tentativas, temos:

– Aumento do contato com familiares e amigos;
– Buscar e seguir tratamento adequado para doença mental;
– Envolvimento em atividades religiosas ou espirituais;
– Iniciar atividades prazerosas ou que tenham significado
(hobbies, trabalho voluntário., etc.) ;
– Reduzir ou evitar o uso de álcool e outras drogas;

 

É comum que em situações de crises, especialmente se a pessoa tem uma doença mental, surjam pensamentos de morte e mesmo de suicídio. Caso isso ocorra, procure ajuda imediatamente! Muitas vezes, esses pensamentos são manifestados por frases de alerta, nos quais a pessoa sinaliza que não está bem. Não subestime e nem julgue alguém que diz que quer se matar; é mito dizer que pessoas fazem isso como manipulação, ou que quem quer mesmo, não fala. Exemplos de frases de alerta:

“Eu preferia estar morto”.
“Eu não posso fazer nada”.
“Eu não aguento mais”.
“Eu sou um perdedor e um peso pros outros”.
“Os outros vão ser mais felizes sem mim”
“Minha vida não tem sentido”

 

Fique atento às frases de alerta. Por trás delas estão os sentimentos de pessoas que podem estar pensando em suicídio.
4 sentimentos principais:

– Depressão

– Desesperança

– Desamparo

– Desespero

Nestes casos, frases de alerta + 4D, é preciso tomar muito cuidado!”

 

Onde encontrar ajuda:
Serviço de Psicologia DO “IFSC E O BEM ESTAR DE SUA COMUNIDADE”, pode escrever para a psicóloga Bárbara Kolstock Monteiro pelo email: [email protected] (caso seja urgente, escreva SUICÍDIO no título). Ou ainda, procurar o serviço de assistência social da universidade, Unidade de Saúde da Família da sua região (Posto de Saúde), CAPS (serviço de saúde mental do SUS) e em casos de risco eminente, a Santa Casa.

 

Entenda, isolamento social é diferente de distanciamento social! Apesar das restrições devido à COVID-19, podemos (e devemos) manter contato social, preferencialmente por meios virtuais, mas conversas com o vizinho pelo muro e outras alternativas também são válidas!

 

 

 

*Com informações da assessoria.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.