Manaus, 05/12/2022

Mundo

Zelensky apela ao Conselho de Segurança da ONU sobre ataques russos

Foto: Serviço de Imprensa da Presidência da Ucrânia/Divulgação via REUTERS
Foto: Serviço de Imprensa da Presidência da Ucrânia/Divulgação via REUTERS
24/11/2022 10h50

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenski, apelou ao Conselho de Segurança das Nações Unidas, na quarta-feira (23), para tomar medidas para impedir os ataques aéreos russos contra infraestruturas vitais que mais uma vez mergulharam as cidades ucranianas na escuridão e no frio com o início do inverno.

A Rússia lançou uma barragem de mísseis na Ucrânia no início do dia, forçando o fechamento de usinas nucleares e matando civis em Kiev.

“Hoje é apenas um dia, mas recebemos 70 mísseis. Essa é a fórmula russa do terror”, disse Zelensky por de vídeo para a câmara do conselho em Nova York, acrescentando que hospitais, escolas, infraestrutura de transporte e áreas residenciais foram todos atingidos.

A Ucrânia está esperando para ver “uma reação muito firme” do mundo aos ataques aéreos de quarta-feira, acrescentou.

É improvável que o conselho tome qualquer atitude em resposta ao apelo, já que a Rússia é um membro com poder de veto.

Zelensky pediu que a Rússia não votasse em qualquer decisão sobre suas ações.

“Não podemos ser reféns de um terrorista internacional”, disse ele. “A Rússia está fazendo de tudo para tornar um gerador de energia uma ferramenta mais poderosa do que a Carta da ONU.”

A embaixadora dos EUA na ONU, Linda Thomas-Greenfield, disse que Putin estava “claramente armando o inverno para infligir imenso sofrimento ao povo ucraniano”.

O presidente russo “tentará congelar o país até a submissão”, acrescentou ela.

O embaixador da Rússia na ONU, Vasily Nebenzya, respondeu reclamando que era contra as regras do conselho que Zelensky aparecesse por vídeo e rejeitou o que chamou de “ameaças e ultimatos imprudentes” da Ucrânia e de seus apoiadores no Ocidente.

Nebenzya disse que os danos à infraestrutura da Ucrânia foram causados ​​por mísseis disparados por sistemas de defesa aérea que atingiram áreas civis após serem disparados contra mísseis da Rússia, e pediu ao Ocidente que pare de fornecer mísseis de defesa aérea à Ucrânia.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.