Manaus, 15/08/2022

Eleições 2022

“Advogado não pratica golpes, foi uma declaração desastrosa e infeliz”, rebate presidente da Abracrim-AM as acusações de Serafim Corrêa

“Advogado não pratica golpes, foi uma declaração desastrosa e infeliz”, rebate presidente da Abracrim-AM as acusações de Serafim Corrêa
05/08/2022 15h10

O que seria um alerta feito pelo deputado estadual Serafim Corrêa aos professores que vão receber o dinheiro do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef), acabou criando uma crise institucional entre a Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas e a Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Amazonas. O parlamentar alertou os professores para não pagarem pelo recebimento do benefício aos advogados que cobram de 10% a 20% para entrar com uma ação para receber o dinheiro do Fundef. “Isso é mentira! Isso é golpe!”, enfatizou o deputado praticamente chamando os advogados de mentirosos e golpistas.

Ao saber das declarações do parlamentar, nessa quinta-feira (04/08), a Associação dos Advogados Criminalistas do Amazonas (Abracrim-AM) repudiou a fala de Serafim Corrêa feita, na última quarta-feira (03/08), em uma sala da Aleam, sobre a conduta dos advogados em relação as procurações.

“Foi uma declaração desastrosa e infeliz do deputado estadual e colega advogado Serafim Corrêa. O advogado não pratica golpes, o advogado defende direitos, defende a sociedade, luta pela moralidade. Somos essenciais a administração da justiça. Não podemos tolerar esse tipo de declaração que criminaliza a profissão do advogado, que criminaliza a advocacia.” disparou Vilson Benayon, presidente da Abracim-AM.

O presidente da Abracrim pediu o apoio de Serafim Corrêa para fortalecer o Estado Democrático de Direito e que o mesmo por ser também advogado que lutasse pela advocacia e a sociedade.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.