]

Manaus, 04/08/2021

Amazonas

FCecon orienta sobre mamografia em caso de vacina contra a Covid-19

FOTO: Laís Pompeu/FCecon
FOTO: Laís Pompeu/FCecon
15/07/2021 11h00

É normal o aparecimento de ínguas no corpo da mulher após a aplicação de vacinas contra diversas doenças, como a Covid-19. A presença desses gânglios na axila, por exemplo, não podem ser motivo para que a população feminina deixe de realizar a mamografia anualmente, como exame de rastreio para o câncer de mama, alerta a Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon), unidade vinculada à Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM).

A chamada linfonodopatia axilar é o aparecimento de ínguas, que, ao toque, se assemelham a caroços. Os linfonodos contêm células do sistema imunológico que ajudam a combater infecções, atacando e destruindo germes que são transportados pelo líquido linfático.

Segundo a chefe do serviço de Mastologia da FCecon, mastologista Hilka Espírito Santo, é comum que os linfonodos reacionais apareçam debaixo dos braços, nas virilhas e na região do pescoço. Nesse caso, eles são reações normais à vacina.

“Essas ínguas não causam nenhum dano à paciente e normalmente desaparecem em torno de quatro semanas”, disse a mastologista, que alerta para a importância do exame. “Antes de tudo, é importante ressaltar a necessidade de se realizar a mamografia anualmente para todas as mulheres acima de 40 anos. A vacina não causa câncer e nem impede de você realizar seus exames de rastreio, que no caso é a mamografia”, destaca Espírito Santo.

Recomendação – A Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), a Comissão Nacional de Mamografia do Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem (CBR) e a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) divulgaram recomendações para condutas frente à linfonodopatia axilar.

Segundo as entidades, a alteração de linfonodopatia axilar após a vacina é um evento raro e não exclusivo da vacinação contra a Covid, podendo acontecer como reação após a vacina de sarampo e influenza, por exemplo, especialmente naquelas que evocavam uma resposta imune forte.

A recomendação é que o agendamento dos exames de rastreamento para câncer de mama (pacientes assintomáticas) seja realizado antes da primeira dose ou após quatro semanas da segunda dose da vacina para Covid.

As pacientes devem, também, informar aos técnicos de radiologia, antes de iniciar o exame, que tomaram a vacina contra a Covid-19. É preciso dizer a data e qual dose. Isso será anexado ao prontuário da paciente, assim como demais perguntas que fazem parte do questionário de rotina, como a última menstruação ou possibilidade de gravidez.

“É muito importante que a paciente, ao ir ao serviço de radiologia, que ela diga a data que ela fez a vacinação. Assim, o médico radiologista, ao emitir o laudo, saberá que pode ter relação com a vacina. Essa paciente pode, ainda, repetir o exame quatro semanas depois. Mas isso deve ser avaliado pelo médico mastologista”, afirma Hilka Espírito Santo.

Orientação – A chefe do serviço de Mastologia da FCecon destaca que o mais importante é que as mulheres não deixem de fazer seus exames anuais de rastreio.