Manaus, 16/05/2022

Destaques

Inflação da Páscoa sobe em ritmo menor, mas couve, peixes e azeite pesam no bolso

Inflação da Páscoa sobe em ritmo menor, mas couve, peixes e azeite pesam no bolso
06/04/2022 11h40

A inflação que tem tirado o sono dos brasileiros nos últimos meses vai influenciar também o almoço de Páscoa. Ainda que a composição total dos itens tenha subido menos do que a inflação, o preço dos alimentos tradicionais para a data vai deixar a refeição em família mais salgada para os brasileiros.

Na passagem entre abril do ano passado e março deste ano, a FGV (Fundação Getulio Vargas) revela que o índice global de preços subiu 9,18%. No mesmo período, os itens que fazem parte da refeição de Páscoa apresentaram alta de 3,93%.

Entre as variações mais significativas no intervalo anual, destacam-se os produtos relacionados a hortifrúti, proteínas e importados. A couve (+21,5%), a batata-inglesa (+18,4%), a sardinha em conserva (+16,4), o azeite (15,4%), a azeitona (+14,4%) e o bacalhau (+11,5%) respondem pelos maiores saltos de preço.

A taxa inferior em relação à contabilizada no ano passado é motivada pelo preço do arroz, que recuou 12,2% no intervalo entre as análises. Sem o impacto, os cálculos mostram que a inflação dos itens de Páscoa seria de 9,8%.

O dado confirma a trajetória apresentada também pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), que indica queda no preço do grão ao longo de todos os últimos 14 meses. Ainda assim, o preço do arroz está 56% mais alto do que o cobrado em fevereiro de 2019.

Para Matheus Peçanha, economista e pesquisador do FGV Ibre (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas), a inflação da Páscoa ocorre em meio a uma “tempestade perfeita”, com problemas climáticos e a forte valorização do dólar ante o real no período de 12 meses que a pesquisa abarca.

“O novo problema de monções em 2022 e o fim da seca generalizada fizeram os hortifrútis assumir o protagonismo da inflação e permitiram ao arroz devolver boa parte do aumento sofrido no ano anterior”, analisa o pesquisador.

Peçanha adverte ainda que o consumidor deve ficar atento aos preços praticados nos próximos dias. “A pesquisa não mostra, em definitivo, a elevação dos itens de Páscoa que o consumidor vai encontrar. Só medimos o que aconteceu com os preços dessa cesta específica nos últimos 12 meses, até março deste ano”, afirma ele.

Também ficaram mais caros no período de um ano os ovos (+9,9%), os pescados frescos (8,3%), o bolo pronto (+7,5), a cebola (+6,4%), o vinho (+6,1%), os bombons e chocolates (+3,9%) e o atum (+3,6%), segundo a FGV.

De acordo com Peçanha, os peixes e os ovos podem subir mais nos próximos dias devido ao aumento da busca pelos produtos às vésperas da Semana Santa. ”Itens não contemplados no escopo do índice geral, como os ovos e as colombas de Páscoa, devem sofrer igualmente com essa pressão de demanda pela tradição”, explicou.

 

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.