]

Manaus, 28/10/2021

Amazonas

Novo boletim de rabdomiólise atualiza para 56 o número de casos suspeitos no Amazonas

Novo boletim de rabdomiólise atualiza para 56 o número de casos suspeitos no Amazonas
07/10/2021 20h50

Um novo boletim epidemiológico do cenário de rabdomiólise foi divulgado nesta quinta-feira (07/10), pela Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas – Drª Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP). A terceira edição do documento atualiza para 56 o número de casos suspeitos da síndrome registrados em 10 municípios do Amazonas.

 

Até ontem (06/10), 100 casos foram notificados pelas secretarias municipais de saúde, dos quais 56 atendem à definição de caso suspeito e 44 casos foram descartados pela equipe do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da FVS-RCP (CIEVS/FVS-RCP), conforme o boletim divulgado em: https://bit.ly/3iFW6LX

 

Dos 10 municípios onde foram registrados os casos suspeitos, Itacoatiara é o município que registra maior número de notificações (51), ente suspeitos (28) e descartados (23). Os demais casos suspeitos estão registrados em: Autazes (1), Caapiranga (1), Itapiranga (1), Manacapuru (1), Manaus (6), Maués (2), Parintins (9), Silves (3) e Urucurituba (4).

 

De acordo com a diretora-presidente da FVS-RCP, Tatyana Amorim, dos 56 casos suspeitos, 31 ocorreram em agosto, 22 em setembro e três em outubro. “O número de casos suspeitos notificados está reduzindo. Foram sete casos suspeitos com data de consumo de ingestão de peixes nos últimos 14 dias”, disse Tatyana, referindo-se ao período de 22 de setembro a 5 de outubro.

 

Conforme as notificações registradas pelas secretarias municipais de saúde, o período de incubação da síndrome (tempo de aparecimento dos sinais e sintomas) é de seis horas em média. “Observamos que 76% dos pacientes apresentaram sintomas em até oito horas após a ingestão do consumo de peixe”, detalha Liane Souza, coordenadora do CIEVS/FVS-RCP.

 

Ainda de acordo com o boletim epidemiológico, dos 100 casos notificados de rabdomiólise, 31 estão distribuídos em nove núcleos familiares, composto por grupos de dois a seis indivíduos. Dos 56 casos suspeitos, houve predominância de homens (61%) dos casos e de maiores acima de 40 anos (61%).

 

Investigação – Todos os casos notificados estão sendo investigados pela equipe do CIEVS/FVS-RCP, em parceria com as equipes de Vigilância Epidemiológica municipais, com o objetivo de identificar os casos que atendem à definição de caso suspeito para rabdomiólise. A investigação acerca dos casos suspeitos de rabdomiólise é extremamente criteriosa, devido à síndrome ter diferentes causas, além da ingestão de peixes.

 

Foram coletadas amostras de soro e de urina de seis pacientes hospitalizados de Itacoatiara e uma amostra de peixe consumido por um destes pacientes. Estas amostras foram encaminhadas para o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina (IFSC). O Amazonas aguarda divulgação do resultado das análises.

 

Força-tarefa – Além da FVS-RCP, participam dessa força-tarefa a secretaria de Estado de Saúde (SES-AM); Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD); Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Estado do Amazonas (Adaf); Secretaria de Estado da Produção Rural (Sepror), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Universidade Estadual do Amazonas (UEA),  Instituto Leônidas e Maria Deane (Fiocruz- Amazônia), Instituto Nacional de Pesquisas na Amazônia (Inpa) e Superintendência Federal de Agricultura no Amazonas (SFA/AM) do Ministério da Agricultura e Ministério da Saúde.

 

Referência – A FVS-RCP é responsável pela Vigilância em Saúde do Amazonas, que inclui o monitoramento de doenças e a notificação ao Ministério da Saúde, pelo Centro de Informações Estratégicas e Resposta em Vigilância em Saúde (CIEVS).

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.