]

Manaus, 30/11/2021

Polícia

Oitivas da CPI da Amazonas Energia são adiadas para a próxima semana por conta da reunião da Unale

Oitivas da CPI da Amazonas Energia são adiadas para a próxima semana por conta da reunião da Unale
23/11/2021 09h27

As oitivas da CPI da Amazonas Energia agendadas para ocorrerem nesta semana foram adiadas para a seguinte. A mudança na programação acontece devido a participação do presidente da CPI, deputado estadual Sinésio Campos (PT), na 24ª Conferência da União Nacional dos Legisladores e Legislativos Estaduais (Unale), em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul.

Sinésio, atual presidente do Parlamento Amazônico, adiantou que enquanto os deputados estiverem participando do evento em Mato Grosso do Sul, reuniões internas e técnicas sobre a CPI ocorrerão na Aleam. O parlamentar aproveitará a conferência para discutir a tarifa de escassez hídrica, que impacta diretamente no aumento de energia no Amazonas.

“Essa semana será de reuniões internas e técnicas sobre a CPI, enquanto os deputados estarão participando desse evento em Mato Grosso do Sul. Estarei lá, nesse evento, para discutirmos a tarifa da escassez hídrica, aprovada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que coloca uma taxa unificada em nível nacional. Vamos levar um documento único para que os parlamentos estaduais possam cobrar dos congressistas para que possam avaliar a Amazônia de uma maneira diferenciada”, explicou Sinésio Campos.

A Unale acontece de 24 a 26 de novembro, em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, maior encontro legislativo da América Latina. A 24ª edição apresenta como temática central “Unale 25+ – Redesenhando os Caminhos do Parlamento”.

É a primeira vez que uma edição da conferência será realizada em formato presencial e online, possibilitando aos participantes o acompanhamento de todas as discussões, por meio de plataforma digital.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.