Manaus, 30/01/2023

Mundo

Pequim reduz carga de testes de Covid

Pequim reduz carga de testes de Covid
06/12/2022 14h30

Moradores da capital da China foram autorizados a entrar em parques, supermercados, escritórios e aeroportos sem um teste negativo de COVID-19 nesta terça-feira, o mais recente de uma combinação de medidas de flexibilização em todo o país após protestos sem precedentes contra um duro teste de zero-COVID política.

“Pequim se prepara para a vida novamente”, dizia uma manchete do jornal estatal China Daily, acrescentando que as pessoas estão “abraçando gradualmente” as novas liberdades.

As autoridades têm afrouxado algumas das restrições mais rígidas do COVID em vários graus e suavizado seu tom sobre a ameaça do vírus, no que muitos esperam poder anunciar uma mudança mais pronunciada em direção à normalidade três anos após a pandemia.

“Este pode ser o primeiro passo para a reabertura”, disse Hu Dongxu, 27, à Reuters enquanto passava seu cartão de viagem para entrar em uma estação de trem em Pequim, que também eliminou a necessidade de testes para usar o metrô.

Enquanto esperavam por notícias, algumas pessoas, preocupadas com a possibilidade de o vírus se espalhar mais rapidamente, correram para comprar kits de antígenos COVID e remédios para febre e os reguladores do mercado emitiram alertas contra o acúmulo e aumento dos preços. 

Ambos os aeroportos da cidade também não exigem mais que as pessoas testem para entrar no terminal, informou a mídia estatal, embora não haja indicação de mudança na regra de teste negativo antes de embarcar em um voo.

O afrouxamento das regras ocorre após uma série de protestos no mês passado que marcaram a maior demonstração de descontentamento público na China continental desde que o presidente Xi Jinping assumiu o poder em 2012.

Enquanto os comícios diminuíram, multidões de estudantes de uma universidade na cidade de Nanjing cantaram em um protesto na segunda-feira contra a política do COVID em seu campus, de acordo com vídeos no Twitter. A Reuters confirmou que a filmagem foi feita na Nanjing Tech University.

A China pode anunciar 10 novas medidas de flexibilização já na quarta-feira, disseram duas fontes com conhecimento do assunto à Reuters.

A perspectiva de um relaxamento gerou otimismo entre os investidores de que a segunda maior economia do mundo recuperaria força e ajudaria a impulsionar o crescimento global.

O yuan chinês subiu cerca de 5% em relação ao dólar desde o início de novembro, na expectativa de uma eventual reabertura da economia da China.

Capturas de tela de um artigo criticando a política de zero COVID da China publicada por um órgão de supervisão de saúde na província de Henan foram amplamente compartilhadas nas redes sociais na terça-feira, depois de terem sido censuradas após sua publicação.

O artigo publicado na página do WeChat da comissão de saúde da cidade de Zhumadian critica alguns impactos “devastadores” causados ​​pela política e sua implementação às vezes “brutal”.

Mas no terreno, muitas pessoas demoraram a se adaptar às mudanças nas regras. O tráfego de passageiros nas principais cidades, como Pequim e Chongqing, permaneceu uma fração dos níveis normais.

Algumas pessoas continuam receosas de pegar o vírus, especialmente os idosos , enquanto há preocupação com a tensão que o afrouxamento pode causar em um sistema de saúde frágil.

“Meus pais ainda são muito cautelosos”, disse James Liu, 22, um estudante da cidade de Shenzhen, na província de Guangdong, no sul, onde as autoridades retiraram os requisitos de teste para entrar no complexo residencial da família.

A China registrou 5.235 mortes relacionadas ao COVID na segunda-feira, mas alguns especialistas alertaram que o número pode subir acima de 1 milhão se a saída for muito apressada.

PRÓXIMA FASE

Analistas da Nomura estimam que as áreas bloqueadas representam cerca de 19,3% do produto interno bruto total da China, equivalente ao tamanho da economia da Índia, mas abaixo dos 25,1% da segunda-feira passada.

Isso marca o primeiro declínio no índice de bloqueio da China observado de perto pelo Nomura desde o início de outubro.

Enquanto isso, as autoridades continuam minimizando os perigos representados pelo vírus, aproximando a China do que outros países vêm dizendo há mais de um ano, ao abandonar as restrições e optar por viver com o vírus, mesmo quando ele se espalha.

A gestão da doença na China pode ser rebaixada já em janeiro, para a categoria B menos rigorosa da atual categoria A de doenças infecciosas, informou a Reuters na segunda-feira.

“O período mais difícil já passou”, disse a agência oficial de notícias Xinhua em um comentário na segunda-feira, citando o enfraquecimento da patogenicidade do vírus e os esforços para vacinar 90% da população.

Analistas preveem que a China pode reabrir a economia e eliminar os controles de fronteira mais cedo do que o esperado no próximo ano, com alguns vendo-a totalmente aberta na primavera.

Mas mais da metade dos chineses diz que vai adiar viagens ao exterior mesmo que as fronteiras reabram agora, de acordo com uma pesquisa com 4.000 consumidores da consultoria Oliver Wyman.

Mas, para todos aqueles que têm medo de voltar à normalidade, há outros que clamam por mais liberdade.

“Vamos implementar essas políticas rapidamente”, escreveu um advogado de Pequim de sobrenome Li no WeChat, reagindo à queda dos requisitos de teste.

“Nossas vidas e trabalho foram afetados por tanto tempo.”

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.