]

Manaus, 26/01/2022

Amazonas

Professores indígenas de Novo Airão recebem formação do projeto ‘Pirayawara’, do Governo do Amazonas

Professores indígenas de Novo Airão recebem formação do projeto ‘Pirayawara’, do Governo do Amazonas
12/01/2022 14h50

Quarenta professores indígenas de Novo Airão, na Região Metropolitana de Manaus, participaram da segunda etapa de formação do projeto Pirayawara, da Secretaria de Estado de Educação e Desporto. A formação foi realizada na terça-feira (11/01), por professores da Gerência de Educação Escolar Indígena da pasta. O investimento na educação é um dos pilares da gestão do governador Wilson Lima.

 

O “Pirayawara” visa formar professores indígenas no Ensino Médio Técnico, para atuar nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental, em suas comunidades, como professores-pesquisadores de seu próprio universo cultural. A formação dá condições para que eles possam gerir seus processos de aprendizagem, fortalecendo a identidade étnica. Desde o início do projeto, em 1998, 47 municípios foram atendidos e 1,1 mil professores foram formados.

 

O gerente de Educação Escolar Indígena, Alcilei Vale Neto, do Povo Mura, diz que a formação vai além do preparo pedagógico. “O curso não forma somente a parte pedagógica, mas forma também lideranças indígenas, pessoas que possam assumir cargos públicos no municípios, no estado, nos conselhos, e isso é muito importante”, avalia.

 

Desde o início, o “Pirayawara” já certificou indígenas de 38 povos, no municípios de Anamã, Atalaia do Norte, Autazes, Barreirinha, Beruri, Boca do Acre, Borba, Carauari, Careiro da Várzea, Coari, Eirunepé, Fonte Boa, Humaitá, Ipixuna, Itacoatiara, Itamarati, Japurá, Juruá, Jutaí, Lábrea, Manacapuru, Manaquiri, Manicoré, Maraã, Maués, Nhamundá, Parintins, Pauini, Rio Preto da Eva, São Gabriel da Cachoeira, São Paulo de Olivença, Tapauá e Tefé.

 

A formação tem nove etapas, com duração de quatro anos e meio. Ela está apoiada em três princípios básicos: organização, participação e solidariedade, tendo como norteadores a Língua Indígena, a Economia e o Parentesco.

 

A metodologia do projeto associa a formação do professor indígena à construção do material didático e do Projeto Político Pedagógico Específico da Escola Indígena. Os estágios dos participantes acontecem entre a 6ª e 9ª etapas.

Ainda neste ano, os formadores devem voltar a Novo Airão, e aos municípios de Amaturá, Maués, Nova Olinda do Norte, Santa Isabel do Rio Negro, Santo Antônio do Içá e Tonantins, onde 455 professores estão em formação pelo “Pirayawara”.

 

A diretora do Departamento de Política e Programas Educacionais, Adriana Antonaccio, participou da formação em Novo Airão e ficou feliz em ver o envolvimento dos cursistas.

 

“Tive a oportunidade de ver, presencialmente, estes estudantes acreditando no respeito do governador Wilson Lima pela formação acadêmica dos professores indígenas. Durante gerações, estes povos tiveram sua cultura e identidade sublimadas pela imposição da educação do branco. Através do ‘Pirayawara’, o Governo do Estado e a Secretaria de Educação corrigem essa dívida histórica e dão ao índio a oportunidade de ele falar por si mesmo e transmitir os saberes das diferentes etnias aos seus povos, através da Educação Escolar Indígena”, frisa a diretora.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.