Manaus, 05/12/2022

Cultura e Entretenimento

Secretaria de Cultura e Economia Criativa resgata histórias afro-indígenas em documentário etnocultural

Secretaria de Cultura e Economia Criativa resgata histórias afro-indígenas em documentário etnocultural
18/11/2022 10h20

“Amyipaguana”, do tupi-guarani, significa ancestralidade. Inspirada nisso, a Secretaria de Cultura e Economia Criativa resgata, em documentários, as histórias afro-indígenas em mais de seis municípios do Amazonas, de forma original e espontânea, que buscam enraizar o pertencimento e prendem a atenção do público. As produções, de cinco minutos de cada, serão divulgadas gratuitamente, a partir desta sexta-feira (18/11), nas páginas da secretaria no Youtube e Facebook.

Ao todo, 15 documentários foram produzidos nos municípios de Santa Isabel do Rio Negro, São Gabriel da Cachoeira, Barcelos, Itacoatiara, Manacapuru e Lábrea. Segundo o secretário executivo da pasta de cultura, Luiz Carlos Bonates, as histórias são singulares, carregam simbolismo e herança amazônica de populações muitas vezes invisibilizadas pela grande indústria cultural.

“Escolhemos os personagens das histórias por suas vivências com a arte e como as repassam para as outras gerações. Nosso principal objetivo é trazer visibilidade a essas pessoas que vivenciam a arte, desenvolvem crenças e costumes e, apesar disso, são pouco faladas por não estarem nas concentrações de arte capitalizada, mas que são pilares culturais no Amazonas”, disse o secretário, que também é idealizador do projeto.

Produção em campo

A responsável pelo setor de Audiovisual da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, Lu Pinheiro, ressalta que a busca pelas raízes afro-indígenas nos municípios permite conhecer, redescobrir e divulgar a identidade cultural de determinados grupos sociais.

“A logística para chegar ao interior do estado é feita por barcos ou avião, e isso é desafiador, mas necessário, porque algumas dessas expressões artísticas são desconhecidas até por habitantes do município em que ela se desenvolve. Produzir esses conteúdos desperta o sentimento de pertencimento”, disse Lu Pinheiro.

As captações em cada cidade, que duraram em média 3 horas, foram adaptadas às plataformas digitais para versão de cinco a sete minutos de duração.

Os documentários têm personagens únicos dos municípios. Para permitir ao público conhecer mais das raízes que sustentam e renovam a história do Amazonas, os episódios diários serão exibidos a partir desta sexta-feira (18/11) até o dia 26 de novembro.

Entre os temas produzidos estão Alvorada da Padroeira, Quilombo do Sagrado Coração de Jesus, Lago da Serpa, Roda da Feira, Boi Mina de Ouro, João Chapéu de Couro, entre outros.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.