TJAM FIRMA ACORDO DE COOPERAÇÃO PARA DAR INÍCIO À COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS EM SUAS UNIDADES

O Tribunal de Justiça do Amazonas assinou termo de cooperação com a ARPA, cooperativa que realizará a cleta seletiva de resíduos dos Poder Judiciário do Amazonas. A medida faz parte do Plano de Logística Sustentável do TJAM. Participaram da assinatura membros da ARPA< o presidente do TJAM, desembargador Yedo Simões e o presidente do Subcomitê de Logística Sustentável do TJAM, desembargador Délcio Santos, além. Foto: Raphael Alves

O Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), por meio do Subcomitê de Logística Sustentável da Corte, assinou nesta terça-feira (23) Termo de Cooperação com a Associação de Reciclagem e Preservação Ambiental (Arpa), entidade que venceu o procedimento de habilitação lançado em fevereiro deste ano visando a implantação da coleta seletiva de resíduos, atividade que contemplará, inicialmente, o Edifício Des. Arnoldo Péres, a Casa de Justiça Des. Paulo Herban Jacob Maciel e o Anexo Administrativo José de Jesus F. Lopes.

A assinatura do Termo ocorreu na sala de reuniões da Presidência do TJAM, com a presença do presidente da Corte, desembargador Yedo Simões, da diretora da Arpa, Alcineia Cunha, do coordenador do Subcomitê, desembargador Délcio Luís Santos, do diretor da Divisão de Planejamento, Rommel Akel e da subcoordenadora do Comitê de Logística Sustentável, Monick Antony.

Conforme o previsto no Edital 01/2019 que norteou o processo de habilitação das associações e cooperativas interessadas na coleta seletiva no TJAM, a Arpa ficará responsável pela atividade nos próximos seis meses. Após esse período, a atividade passará à responsabilidade da segunda colocada no procedimento de habilitação, a Cooperativa Aliança.

A partir da assinatura do Termo de Cooperação, nesta terça, a Arpa terá prazo de dez dias para apresentar o plano de trabalho a ser desenvolvido, com informações como a periodicidade da coleta, quantidade de pessoas envolvidas, dentre outros dados. Durante esse período, o Subcomitê de Logística Sustentável passará pelos setores para orientar os servidores quanto à forma correta da separação de resíduos e fazer a adesivagem das lixeiras (para recebimento dos resíduos orgânicos, não recicláveis e recicláveis).

Para a diretora da Arpa, Alcineia Cunha, o termo assinado é de grande importância uma vez que a iniciativa do TJAM poderá influenciar mais órgãos públicos e pessoas a aderirem à coleta seletiva de resíduos. “Esperamos fazer um bom trabalho e que possamos passar uma boa mensagem em termos de sustentabilidade, mostrar, através desse trabalho, o benefício que a coletiva seletiva traz para a sociedade e também para a melhoria da renda dos catadores”.

Para o coordenador do Subcomitê de Logística Sustentável, desembargador Délcio Santos, a inciativa trará benefícios em todas as esferas: para o TJAM, onde os resíduos serão descartados corretamente; para a associação, pois a atividade irá gerar renda e oportunidade de emprego; e para a sociedade, uma vez que a ação contribui com a preservação do meio ambiente. “O TJAM não está aqui só para julgar processos. Como instituição, também tem uma responsabilidade social que está sendo trabalhada e melhorada todos os dias para atingir os níveis de excelência que todos esperam do Tribunal”, afirmou.

Segundo a secretária do Subcomitê de Logística Sustentável, Thaís Machado, a previsão é de que o início das atividades de coleta seletiva ocorra em duas semanas, após a apresentação e aprovação do plano de trabalho por parte da Arpa.